Carta de Fernando Pessoa à Ophelia

Ophelinha:
Agradeço a sua carta. Ella trouxe-me pena e allivio ao mesmo tempo. Pena, porque
estas cousas fazem sempre pena; allivio, porque, na verdade, a unica solução é essa – o não
prolongarmos mais uma situação que não tem já a justificação do amor, nem de uma parte nem de
outra. Da minha, ao menos, fica uma estima profunda, uma amisade inalteravel. Não me nega a
Ophelinha outro tanto, não é verdade?
Nem a Ophelinha, nem eu, temos culpa nisto. Só o Destino terá culpa, se o Destino
fosse gente, a quem culpas se attribuissem.
O Tempo, que envelhece as faces e os cabellos, envelhece tambem, mas mais depressa
ainda, as affeições violentas. A maioria da gente, porque é estupida, consegue não dar por isso, e julga
que ainda ama porque contrahiu o habito de se sentir a amar. Se assim não fosse, não havia gente no
mundo. As creaturas superiores, porém, são privadas da possibilidade d’essa illusão, porque nem
podem crer que o amor dure, nem, quando o sentem acabado, se enganam tomando por elle a estima,
ou a gratidão, que elle deixou.
Estas cousas fazem soffrer, mas o soffrimento passa. Se a vida, que é tudo, passa por
fim, como não hão de passar o amor e a dor, e todas as mais cousas, que não são mais que partes da
vida?
Na sua carta é injusta para commigo, mas comprehendo e desculpo; decerto a escreveu
com irritação, talvez mesmo com magua, mas a maioria da gente – homens ou mulheres – escreveria,
no seu caso, num tom ainda mais acerbo, e em termos ainda mais injustos. Mas a Ophelinha tem um
feitio optimo, e mesmo a sua irritação não consegue ter maldade. Quando casar, se não tiver a
felicidade que merece, por certo que não será sua a culpa.
Quanto a mim…
O amor passou. Mas conservo-lhe uma affeição inalteravel, e não esquecerei nunca –
nunca, creia – nem a sua figurinha engraçada e os seus modos de pequenina, nem a sua ternura, a sua
dedicação, a sua indole amoravel. Pode ser que me engane, e que estas qualidades, que lhe attribúo,
fossem uma illusão minha; mas nem creio que fossem, nem, a terem sido, seria desprimor para mim
que lh’as attribuisse.
Não sei o que quer que lhe devolva – cartas ou que mais. Eu preferia não lhe devolver
nada, e conservar as suas cartinhas como memoria viva de um passado morto, como todos os
passados; como alguma cousa de commovedor numa vida, como a minha, em que o progresso nos
annos é par do progresso na infelicidade e na desillusão.
Peço que não faça como a gente vulgar, que é sempre reles; que não me volte a cara
quando passe por si, nem tenha de mim uma recordação em que entre o rancor. Fiquemos, um perante
o outro, como dois conhecidos desde a infancia, que se amaram um pouco quando meninos, e, embora
na vida adulta sigam outras affeições e outros caminhos, conservam sempre, num escaninho da alma, a
memoria profunda do seu amor antigo e inutil.
Que isto de «outras affeições» e de «outros caminhos» é consigo, Ophelinha, e não
commigo. O meu destino pertence a outra Lei, de cuja existencia a Ophelinha nem sabe, e está
subordinado cada vez mais á obediência a Mestres que não permittem nem perdoam.
Não é necessário que comprehenda isto. Basta que me conserve com carinho na sua
lembrança, como eu, inalteravelmente, a conservarei na minha.
Fernando

 

Quer ler mais? Ou ver as respostas de Ophelia? http://casafernandopessoa.cm-lisboa.pt/index.php?id=6820

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s