Saudades

Nas horas mortas da noite
Como é doce o meditar
Quando as estrelas cintilam
Nas ondas quietas do mar;
Quando a lua majestosa
Surgindo linda e formosa,
Como donzela vaidosa
Nas águas se vai mirar!

Nessas horas de silêncio,
De tristezas e de amor,
Eu gosto de ouvir ao longe,
Cheio de mágoa e de dor,
O sino do campanário
Que fala tão solitário
Com esse som mortuário
Que nos enche de pavor.

Então — proscrito e sozinho —
Eu solto aos ecos da serra
Suspiros dessa saudade
Que no meu peito se encerra.
Esses prantos de amargores
São prantos cheios de dores:
— Saudades — dos meus amores,
— Saudades — da minha terra ! 

 

Casimiro de Abreu

Anúncios

Sentada, ao lado da janela.

Naquele momento já não sabia quem era,

A lua, por anos amada,

Hoje era desprezada e odiada,

Mas ainda sim sua companheira naquela noite.

A confusão pairava em sal mente.

Como podia ter acontecido?

Como ela podia ter permitido?

A paz perdera.

E a insônia, revivera.

Quanta ousadia,

A porta bater, não poderia?

Chegou sem pedir licença,

E agora a agonia que entrou era imensa. 

 

 

Poema inacabado, mas acredito que ele nunca terá um fim. Já faz muito tempo que o comecei e perdi o foco…

SE EU DE TI ME ESQUECER

Se eu de ti me esquecer, nem mais um riso
Possão meus tristes labios desprender;
Para sempre absondone-me a esperança,
         Se eu de ti me esquecer.

Neguem-me auras o ar, neguem-me os bosques
Sombra amiga, em que possa adormecer,
Não tenhão para mim murmúrio as agoas,
         Se eu de ti me esquecer.

Em minhas mãos em aspide se mude
No mesmo instante a flôr, que eu for colher;
Em fel a fonte, a que chegar meus labios,
         Se eu de ti me esquecer.

Em meu peregrinar jamais encontre
Pobre albergue, onde possa me acolher;
De plaga em plaga, foragido vague,
         Se eu de ti me esquecer.

Qual sombra de prescito entre os viventes
Passe os miseros dias a gemer,
E em miseros dias a gemer,
E em meus martyrios me escarneça o mundo,
         Se eu de ti me esquecer.

Se eu de ti me esquecer, nem  uma lagrima
Caia sobre o sepulchro, em que eu jazer;
Por todos esquecido viva e morra,
         Se eu de ti me esquecer.

 

Bernardo Guimarães

Armas

– Qual a mais forte das armas,
A mais firme, a mais certeira?
A lança, a espada, a clavina,
Ou a funda aventureira?
A pistola? O bacamarte?
A espingarda, ou a flecha?
O canhão que em praça forte
Faz em dez minutos brecha?
– Qual a mais firme das armas?
O terçado, a fisga, o chuço,
O dardo, a maça, o virote?
A faca, o florete, o laço,
O punhal, ou o chifarote?…
A mais tremenda das armas,
Pior que a durindana,
Atendei, meus bons amigos:
Se apelida: – A língua humana!
 
Fagundes Varela